Postagem em destaque

CAMOCIM OFF ROAD 2017

UM DOS MAIORES TRILHÃO DA REGIÃO

SAÚDE E PAZ A TODA NAÇÃO TRILHEIRA - OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO... 126 PILOTOS INSCRITOS... CAMOCIM OFF ROAD...

24 de janeiro de 2012

JUSTIÇA CONDENA HUMORISTA CQC POR DANOS MORAIS

Nesta terça-feira (17), chegou ao fim a novela Wanessa Camargo contra Rafinha Bastos, com vitória para a cantora. O juiz da 18ª Vara Cível de São Paulo, Luiz Beethoven Giffoni Ferreira, condenou Rafinha no processo por danos morais, movido pela cantora e pelo marido dela, o empresário Marcos Buaiz. Wanessa entrou com ação contra o humorista pela declaração polêmica dada no programa CQC, da Band, em setembro do ano passado. Na atração, ao vivo, Rafinha disse que comeria ela e o filho delaWanessa e Marcus Buaiz querem R$ 100 mil de Rafinha BastosA reportagem do R7entrou em contato com a assessoria de Wanessa, que disse que a cantora não vai se pronunciar sobre a decisão, para "não sair por aí contando vitória". O R7 ainda não conseguiu contato com o humorista para comentar a decisão judicial. Além de sair perdendo na Justiça, Rafinha também foi afastado do programa.

Fonte R7


* * * Como seria bom, se condenações iguais chegassem por aqui hem? Com certeza, " NEGUIN'' ia entrar em cana, por que grana... Só mesmo no CQC!


PMs e BOMBEIROS EM MAIS UMA GREVE?

O ambiente na Associação dos Cabos e Soldados da PM é de revolta com as palavras de Ciro Gomes.

Os policiais querem agora o cumprimento do acordo entre policiais e o governador. 


Caso não seja viabilizado até o reinício dos trabalhos na Assembleia, eles ameaçam abrir novas tratativas.

Policiais Militares mais radicais estão tentando chamar assembleia da categoria para propor nova paralisação durante o carnaval caso o acordo com o governo não seja cumprido. 

Fonte:Sobral de prima 

20 de janeiro de 2012

CIRO GOMES CHAMA POLICIAIS GREVISTAS DE MARGINAIS DE FARDA


As palavras quando saem do ex-governador Ciro Gomes parecem chicotadas, tamanha a fúria como são desferidas.
Suas declarações sobre a greve dos policiais militares mostram que o caso ainda não foi absorvido e tem difícil digestão no Palácio da Abolição.
Com a ferida ainda aberta, Ciro Gomes de forma natural foi questionado pela imprensa sobre a greve e veio a fala dura, a batida forte que botou gasolina na fogueira que virou a polêmica greve. Ciro Gomes foi porta-voz de um desabafo que o irmão governador está querendo fazer, só não pondo seu sentimento à população para manter o equilíbrio que lhe é exigido pelo cargo que ocupa.
As mais duras palavras sobre a greve dos policiais militares saíram do ex-governador Ciro Gomes. “Marginais fardados de policiais usaram mulheres e crianças como escudos”, disse ao completar dizendo que “Cid Gomes cedeu para evitar a morte de crianças ou de mulheres inocentes”, concluiu. 



Fonte (Blog do Roberto Moreira)

19 de janeiro de 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI

UFPI - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - No último final de semana, 14 formandos em engenharia de pesca receberam seus diplomas, entre eles estava HELTON NATANAEL TAVORA LOPES na foto, acompanhado por seu pai Luis Lopes e seu irmão Helber Nahylton. 

      NATAN, desejamos a voce toda felicidade do mundo, continue sendo esse " cara " tranquilo, amigo e bom filho como sempre foi, que DEUS te abençoe sempre.

10 de janeiro de 2012

Em reunião, servidores do Detran do Ceará decidem evitar greve


Os sevidores do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran) decidiram não entrar em greve após reunião da categoria, na manhã desta terça-feira (10). De acordo com a presidente do Sindicato dos Servidores do Detran, Eliene Uchoa, a paralisação foi evitada porque o governo do estado agendou uma reunião com os funcionários.
"Nós estávamos tentando agendar essa reunião para o governo ouvisse nossas propostas, como essa reunião foi sinalizada, nós não paralisamos nossos serviços", disse a presidente. A reunião ficou marcada para quinta-feira (12). Na segunda-feira (16), os servidores vão se reunir novamente para avaliar o resultado da reunião e se entram ou não em greve.
Eliene Uchoa disse que, apesar de não deflagrar paralisação das atividades, a categoria está em "estado de alerta" caso não obtenha resultados com o governo do estado. Os servidores do Detran reivindicam uma reestruração do plano de cargos, salário e carreiras. Atualmente, os funcionários do departamento de trânsito recebem em média R$ 1.200, incluindo gratificações.
Os servidores do Ceará querem um salário equivalente à média dos funcionários dos departamentos estaduais de trânsito do Nordeste, que é cerca de R$ 1.500.


6 de janeiro de 2012

SAIU NA COLUNA DO FABIO CAMPOS - O POVO


O MOTIM, A TENSÃO E O BLECAUTE


Chocada, a população se comportou como se houvesse um “toque de recolher”. Em plena alta estação, boa parte do comércio, restaurantes e demais serviços fechados. Clima tenso nas ruas. Temor generalizado. Um duro golpe na ordem pública e na economia.
Policial Militar não faz greve. Faz motim, que se caracteriza por atos explícitos de desobediência às autoridades constituídas ou contra a ordem pública. Pelo Código Militar, o motim ocorre quando a tropa (ou parte dela) desobediente ocupa quartel, arsenal ou estabelecimento militar. Precisamente, foi o que ocorreu.
A Constituição do Brasil veda expressamente o direito de greve aos militares, estaduais ou federais, e a sindicalização. Sim, as reivindicações dos policiais cearenses são, em grande parte, justas. Mas, tal condição não garante o direito de greve. A Carta é magna. O Estado é de direito.
No mundo inteiro, as forças militares existem para garantir a ordem pública. Sem isso, a democracia não funciona. A sociedade não funciona. A vida social e econômica não se desenvolve. Daí explica-se o legislador ter colocado no texto constitucional a proibição da greve militar.
Na tarde de terça-feira, escrevi no Twitter: “A democracia chora e sangra com motins de servidores públicos armados cuja missão é garantir a ordem pública”. Armados e com bens públicos sequestrados.
Essa é uma parte da questão relacionada aos graves episódios. A outra diz respeito a atuação dos representantes públicos eleitos pelo povo. Nesse ponto, deu-se um blecaute político e administrativo. Um vácuo de autoridade que prevaleceu até mesmo depois do acordo que levou ao fim da paralisação.
Diante do “toque de recolher” espontâneo, nenhum pronunciamento. Nenhuma autoridade veio a público oferecer ao distinto público uma explicação, um rumo, uma linha de comportamento. Ninguém.
Policiais Militares possuem um comando. Foi como se não existisse. Os oficiais comandantes não foram vistos. Nenhum representante da corporação estava nas negociações. Idem o secretário de Segurança, um oficial PM. 
A base aliada do Governo sumiu. Uma base sem voz e incapaz de se interpor. Publicamente, no auge da crise, todos ficaram caladinhos esperando a voz da chefia. Mas, a chefia ficou calada. Silêncio absoluto.
O Governo é muito bom em publicidade. Já era assim com o velho Cambeba. É a crença de que a verba publicitária resolve as coisas. Não resolve. Há uma disputa no seio da opinião pública que jamais pode ser abandonada. Quem a abandona nos momentos de crise comete o maior dos erros.
E a guerra de ontem era, em grande parte, no seio da opinião pública. De um lado, os líderes do movimento absolutamente disponíveis para as câmeras e microfones. O tempo todo dando suas versões. Tentaram até passar a ideia de que o PM cearense recebia o pior salário do País (outros nove estados, incluindo RJ, RS e PE pagam pior).
Do outro lado, o vazio. Um lado sem versões. Um lado que não soube falar, se posicionar, explicar, acalmar e mostrar os esforços de guerra em andamento para proteger o cidadão. As redações mobilizadas tentavam ouvir o Governo. Nada. Nenhuma palavra. Nem a voz nem o porta-voz.
O Governo pecou demais. Foi pego de calças curtas. Não se antecipou ao movimento. Dormiu em berço esplêndido. Daí, não tinha o que falar. Mesmo tendo sido a gestão que mais apostas e investimentos fez em segurança pública em toda a História do Ceará.


(Coluna do Fabio Campos -Opovo)

CRISE NA SEGURANÇA PUBLICA CONTINUA


Tem gente querendo botar panos mornos, mas a crise na segurança pública está longe de terminar.
O ambiente é de completo descontrole. Não se sabe quem comanda e quem é comandado. A quebra da hierarquia motivou a institucionalização da desordem. A culpa não é dos policiais, e sim da sequência de erros dos comandos, principalmente da cúpula.
Nos bombeiros, por exemplo, botaram um novo comandante, a tropa não aceita. Até agora, não houve qualquer relação entre o comandante, coronel Joaquim Neto, e a tropa. Eles não se falam.
Nas unidades da polícia militar os comandos estão em completa falta de sintonia. Policial se comanda, mas é necesário também o sentido de se fazer respeitar. A tropa aceita os que realmente podem determinar, e ao mesmo tempo elevar o nível da atuação policial com preparo e respeito.
No Cariri, os bombeiros desfilaram em carro aberto. Pareciam vitoriosos de uma Copa do Mundo. Se fosse na madrugada da vitória, tudo bem, mas tudo aconteceu durante o dia, quando os policiais já deveriam estar no quartel. E o comandante? não manda.

(Via Blog do Roberto Moreira)

5 de janeiro de 2012

TERMINANDO UMA, E COMEÇANDO OUTRA!

Embalados pelo motim dos policiais militares e bombeiros, que conseguiram ver atendida metade de suas reivindicações, os policiais civis do Ceará decidiram radicalizar e parar totalmente os serviços nas delegacias. A categoria reivindica reajuste salarial e luta para que os vencimentos sejam equivalentes a 60% do que ganha um delegado (R$ 8 mil).

4 de janeiro de 2012

ENCERRADA PARALISAÇÃO DOS PM'S E BOMBEIROS DO CEARÁ.


Os policias militares e bombeiros do Ceará decidiram encerrar a greve na madrugada desta quarta-feira, 4. Em reunião, líderes governistas e grevistas entraram em acordo para voltar às atividades. Em seguida, o documento também foi aprovado pelo governador do Estado, Cid Gomes, e pela categoria, em assembleia.
Entre os trechos do acordo, estão a apresentação dos policiais militares nos quartéis até a meia-noite desta quarta-feira, com anistia geral de processos abertos desde primeiro de novembro de 2011.
Outra cláusula da proposta incorpora R$ 850 para todos policiais ativos, inativos, pensionistas, tanto da polícia militar como bombeiros militares. Mais 7% de aumento dado a servidores.
O pedido de 40 horas semanais - e não mais 44h - também foi acatado. Sem efetivo, policiais militares e bombeiros militares receberão extra. Também deve ser criado o Código de Ética e Disciplina.

O acordo também prevê a anulação da liminar da desembargadora Sérgia Miranda, com dispensa de multas individuais e para entidades. O governo também deve apresentar proposta no Congresso para anistia às manifestações de primeiro de novembro - Metrofor - e 30 de dezembro – greve.
A categoria estava em greve há cinco dias.

ReuniãoO encontro que formalizou o acordo entre grevista e governo teve início as 9h de terça-feira, 3. Participaram os líderes do movimento grevista, Flávio Sabino (Associação de Cabos e Soldados), Pedro Queiroz (da entidade nacional da categoria), e o capitão Wagner Souza (Deputado Estadual) e Fernando Oliveira (Procurador Geral do Estado), Andréia Coelho (Defensora Pública Geral do Estado) e Socorro França (Procuradora-geral de Justiça) e o Valdetário Andrade Monteiro (Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Ceará).

Fonte: O POVO
CAMOCIM POLÍCIA 24hs.

3 de janeiro de 2012

MEDO - TENSÃO - POPULAÇÃO TRANCADA - BANDIDOS A SOLTA !!!

POLICIAIS EM GREVE - CAMOCINENSES A MERCÊ DA SORTE.
Arrastões, comercio fecha mais cedo, bandidos desafiam a população e se aproveitam da ausência da PM - Só nos resta esperar decisões das autoridades, e no mais contar com a sorte!!
E DA-LHE CID GOMESSSSS...

JUSTIÇA DETERMINA VOLTA DA PM AO TRABALHO

A Desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Sérgia Miranda, determinou, no início da noite desta segunda-feira (2), retorno imediato dos policiais e bombeiros ao trabalho. Ainda segundo a desembargadora, todas os bens do Estado devem ser reintegrados. Caso a ordem seja descumprida, cada militar deve pagar R$ 500 diários, e cada associação, R$ 15 mil. Os policiais e bombeiros militares decidiram não acatar a determinação da Justiça. “Só sairemos daqui mortos ou com a vitória”, disse o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros do Ceará, Flávio Sabino.

Fonte Jangadeiro Online