Postagem em destaque

CAMOCIM OFF ROAD 2017

UM DOS MAIORES TRILHÃO DA REGIÃO

SAÚDE E PAZ A TODA NAÇÃO TRILHEIRA - OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO... 126 PILOTOS INSCRITOS... CAMOCIM OFF ROAD...

1 de janeiro de 2011

Dilma tomará posse como primeira presidenta do Brasil

Economista, Dilma Vana Rousseff toma posse hoje (1º) como presidenta da República, a primeira mulher a ocupar o mais alto cargo executivo no país. Dilma herda de seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva um país estruturado em torno de um projeto de crescimento econômico com distribuição de renda, mas ainda com graves problemas de infraestrutura e de desigualdades sociais.
O Brasil de Dilma apresenta fundamentos econômicos consolidados, mas que exigem ajustes para evitar o descontrole da inflação e suas consequências sobre a atividade produtiva e o poder de compra dos assalariados. O Produto Interno Bruto (PIB) é um dos maiores da história e a renda per capita é de US$ 10 mil.
O Brasil é um dos líderes mundiais na produção de alimentos graças ao desenvolvimento de conhecimento e de novas tecnologias. O número de pessoas com diploma universitário, de acordo com o Censo da Educação Superior de 2009, é de cerca de 6 milhões de pessoas. Desse total, 75% dos alunos estão nas instituições privadas, setor que se tornou um parceiro importante.
No entanto, o analfabetismo ainda preocupa. A taxa de analfabetismo na população com mais de 15 anos caiu de 11,6% para 9,7%, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) referentes a 2003 e 2009, uma redução muito lenta diante de um programa específico para cuidar do assunto. Para o economista Armando Castelar, coordenador da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV),o Brasil precisa investir no mínimo o equivalente a 20% do PIB.
“Não houve no governo Lula nenhum ano em que a taxa de investimento chegou a 20% do PIB, taxa atingida pelo Brasil somente em 1994. Somente em 2008, tivemos um crescimento acima de 18%. Nos demais anos de Lula, o investimento ficou abaixo desse percentual”, lembrou Castelar. Superar esse percentual de investimento é mais urgente para o governo Dilma do que foi para o governo Lula, diante do dinamismo alcançado pela economia brasileira nos últimos oito anos. “Conseguir aumentar essa taxa de investimento é uma tarefa que se faz a cada dia mais urgente para tornar sustentável nosso crescimento econômico. O governo de Dilma terá que dar um jeito para esse desafio que não é recente. É um desafio antigo”, explicou Castelar.
Ele observou, entretanto, que Dilma assume o país com um nível de confiança dos investidores muito maior do que existia em 2003, primeiro ano de Lula. “Em 2003, os investidores sabiam que o presidente era aquele que, no PT, chegou a defender um plebiscito sobre o calote das dívidas interna e externa”, disse o professor. “Hoje, essa preocupação não existe mais”, acrescentou. A manutenção da austeridade econômica no governo Lula, na opinião de Castelar, foi fundamental para criar essa confiança. “O tempo serviu para mostrar que as políticas macroeconômicas implantadas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso não eram apenas políticas de governo, mas medidas que teriam que ser tomadas por qualquer um que estivesse no cargo. Essa manutenção foi muito importante”, considerou. Outro ponto positivo para o Brasil é uma situação inédita de solidez em seu posicionamento no mercado internacional. “Nesses oito anos do governo Lula, o Brasil soube aproveitar os altos preços das commodities e, com isso, construiu uma situação que lhe permitiu fazer frente à crise do mercado externo em 2008 e 2009. Hoje, a solidez da situação do Brasil no mercado internacional é bem maior do que a que existia em 2003”, avaliou. Embora a presidenta eleita tenha protagonizado um governo com medidas de estímulo ao consumo, principalmente nos últimos dois anos, a equipe econômica de Dilma foi anunciada em meio a perspectivas de contenção de gastos para os próximos dois anos, pelo menos. A preocupação de conter a inflação continua. Confirmado para permanecer no cargo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já avisou que o governo passará a atuar de forma contracionista no que se refere à área fiscal (ou gastos públicos). O ministro informou que a orientação é continuar o controle da inflação administrada pelo sistema de metas. A expectativa é que a inflação continue em 4,5% até 2012. O governo que reduzir os gastos, principalmente de custeio, e aumentar a poupança pública. “No período da crise nós aumentamos gastos e reduzimos o primário para viabilizar a rápida recuperação da economia brasileira. Agora, superada a crise, vamos recuar e reduzir os gastos”, declarou Mantega, ao anunciar sua permanência na pasta.
Fonte Jornal do Brasil

Nenhum comentário: