Postagem em destaque

CAMOCIM OFF ROAD 2017

UM DOS MAIORES TRILHÃO DA REGIÃO

SAÚDE E PAZ A TODA NAÇÃO TRILHEIRA - OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO... 126 PILOTOS INSCRITOS... CAMOCIM OFF ROAD...

10 de junho de 2010

PAI MANTINHA FILHA PRESA A 16 ANOS

José Agostinho abusava sexualmente da filha desde que ela tinha 12 anos. Com ela, ele teve sete filhos-netos

A Polícia de Pinheiro, no Maranhão, prendeu um lavrador de 54 anos que mantinha a filha em cárcere privado há 16 anos e tinha com ela sete filhos, com idades de 12 anos a 2 meses. José Agostinho Bispo Pereira abusava sexualmente da filha desde que ela tinha 12 anos. Sandra Maria Monteiro, hoje com 28 anos, não sabe ler nem escrever e nunca pode sair da ilhota onde vivia com o pai, no Povoado de Experimento, em Pinheiro, a 340 km de São Luís. Na cidade de Pinheiro, muita gente sabia da história da família de Pereira, mas ninguém queria se intrometer na vida do lavrador, que passou a abusar da filha desde que a mãe dela foi embora de casa. Segunda a delegada regional de Pinheiro, Laura Amélia Barbosa, a opinião das pessoas começou a mudar com as sucessivas campanhas contra pedofilia e violência sexual. No dia 21 de maio passado, o Ministério Público, o Conselho Tutelar e a Polícia de Pinheiro realizaram uma passeata para combater a exploração sexual de criança e adolescente. Foi então que as pessoas decidiram falar.
A polícia passou a investigar o caso e descobriu a história. Nesta terça-feira, uma equipe de investigadores embarcou em três canoas para alcançar a ilhota onde Pereira vivia, que não tem acesso por terra. A situação das crianças chocou os policiais. Dos sete filhos, seis estavam no local. A última filha-neta, um bebê de 2 meses, foi doada a uma família. Os seis mantidos na ilhota nunca foram à escola e são proibidos de sair dali pelo pai-avô. Resgatadas, as crianças tiveram de ser encaminhadas a um abrigo, para tomar banho, serem vestidas e alimentadas. Preso em flagrante, Pereira disse que estava ressabiado com a possibilidade de o caso ser descoberto e temia que isso acontecesse. Segundo a delegada, ele acha normal ter mantido a filha e os filhos-netos em cárcere privado e não vê problema no relacionamento conjugal.

Fonte DN


Nenhum comentário: